quinta-feira, 17 de março de 2011

AS PALAVRAS



As palavras são parte da dinâmica do mundo de símbolos que nos cerca. O texto a seguir nos fala de sua importância fundamental para o pensamento e para a própria cultura.

Othon Moacir Garcia


Há alguns anos, o Dr. Johnson O'Connor, do Laboratório de Engenharia Humana, de Boston, e do Instituto de Tecnologia, de Hoboken, Nova Jersey, submeteu a um teste de vocabulário cem alunos de um curso de formação de dirigentes de empresas industriais (industrial executives), os executivos. Cinco anos mais tarde, verificou que os dez por cento que haviam revelado maior conhecimento ocupavam cargos de direção, ao passo que dos vinte e cinco por cento mais “fracos” nenhum ocupariam igual posição.

Isso não prova, entretanto, que para vencer na vida, basta ter um bom vocabulário; outras qualidades se fazem, evidentemente necessárias. Mas parece não restar dúvida de que, dispondo de palavras suficientes e adequadas à expressão do pensamento de maneira clara, fiel e precisa, estamos em melhores condições de assimilar conceitos, de refletir, de escolher, de julgar do que outros cujo acervo léxico seja insuficiente ou medíocre para a tarefa vital da comunicação.

Pensamento e expressão são interdependentes, tanto é certo que as palavras são o revestimento das ideias e que, sem elas, é praticamente impossível pensar. Como pensar que “amanhã tenho uma aula às 8 horas”, se não prefiguro mentalmente essa atividade por meio dessas ou de outras palavras equivalentes? Não se pensa em vácuo. A própria clareza das ideias (se é que as temos sem palavras) será intimamente relacionada com a clareza e a precisão das expressão  que as traduzem. As próprias impressões colhidas em contato com o mundo físico, através da experiência sensível, são tanto mais vivas quanto mais capazes de serem traduzidas em palavras – e sem impressões vivas não haverá expressão eficaz. É um círculo vicioso, sem dúvida: “... nossos hábitos linguísticos afetam e são igualmente afetados pelo nosso comportamento, pelos nosso hábitos físicos e mentais normais, tais como  a observação, a percepção, os sentimentos, a emoção, a imaginação”. De forma que um vocabulário escasso e inadequado, incapaz de veicular impressões e concepções, mina o próprio desenvolvimento mental, tolhe a imaginação e o poder criador, limitando a capacidade de observar, compreender e até mesmo de sentir. “ Não de diz nenhuma novidade ao afirmar que as palavras, ao mesmo tempo que veiculam o pensamento, lhe condicionam a formação. Há século e meio Herder já proclamava que um povo não podia ter uma ideia sem que para ela possuísse uma palavra” testemunha Paulo Rónai em artigo publicado no Diário de Notícias, do Rio de Janeiro, e mais tarde transcrito na 2ª edição de Enriqueça o seu vocabulário (Rio, civilização Brasileira, 1965), de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira.

Portanto, quanto mais variado e ativo é o vocabulário disponível, tanto mais claro, tanto mais profundo e acurado é o processo mental da reflexão. Reciprocamente, quanto mais escasso e impreciso, tanto mais dependentes estamos do grunhido do grunhido, do grito ou do gesto, formas rudimentares de comunicação capazes de traduzir apenas expansões instintivas dos primitivos, dos infantes e... dos irracionais. GARCIA, Othon Moacir. Comunicação em prosa moderna.

E. educação. Rio de Janeiro, FGV, 1980.p. 155-6.


Legenda:


Ideia tese do parágrafo
Frase primária de explanação do parágrafo
Frases secundárias de explanação do parágrafo


Estrutura do texto:

1º Parágrafo = Introdução
2º e 3º Parágrafos = Desenvolvimento
4º Parágrafo - Conclusão

No 2º parágrafo o pronome demonstrativo (Isso), retoma a idéia da 2ª frase ou seja elemento de coesão. No 3º parágrafo, as frases secundárias de cada parágrafo e sua relação semântica e sintática uma com a outra.


Segundo Othon Moacir Garcia, (2010), o Parágrafo é uma unidade de composição constituída por um ou mais de um período, em que se desenvolve determinada ideia central, ou nuclear, a que se agregam outras, secundárias intimamente relacionadas pelo sentido e logicamnete decorrentes dela.


A importância do Parágrafo, facilita ao escritor a tarefa de isolar e depois ajustar convenientemente as ideias principais da sua composição, permitindo ao leitor acompanhar-lhes o desenvolvimento nos seus diferentes estágios.



Tanto quanto sua estrutura, varia também sua extensão: há parágrafos de uma ou duas linhas como os há de página inteira. E não é apenas o senso de proporção que deve servir de critério para bitola-lo, mas também, principalmente, o seu núcleo, a sua ideia central.


Quanto ao Tópico frasal, o Parágrafo-padrão, aquele de estrutura mais comum e mais eficaz- o que justifica seja ensinado aos principiantes-, constas sobretudo na dissertação e na descrição, de duas e ocasionalmente, de três partes: a Introdução, representada na maioria dos casos por um ou dois períodos curtos iniciais, em que se expressa de maneira sumária e sucinta a idéia-nucleo, o Desenvolvimento, isto é, explanação mesma dessa idéia-núcleo; e a Conclusão, mais rara, mormente nos parágrafos pouco extensos ou naqueles em que  idéia central não apresenta maior complexidade. O Tópico Frasal, encerra de modo geral e conciso a ideia-núcleo do parágrafo.

Diferentes feições do tópicos frasal:

a) Declaração inicial--a feição mais comum: o autor afirma ou nega alguma coisa logo de saída para, em seguida, justificar ou fundamentar a asserção, apresentando argumentos sob a forma de exemplo, confrontos, analogias, razões, restrições.
b) Definição: Tópico frasal assume a forma de uma definição. É método preferencialmente Didático.
c) Processo quase que exclusivamente didático, dadas as suas caracaterísticas de objetividade e clareza, consiste em apresentar o tópico frasal sob a forma de divisão ou discriminação das idéias a serem desenvolvidas.
O autor cita outros modos de iniciar o parágrafo: alusão histórica, omissão de dados identificadores num texto narrativo,interrogação, tópico frasal implícito ou diluído no parágrafo. 


Ele também diz como Desenvolver o Parágrafo:
Desenvolvimento é a explanação mesma idéia principal do parágrafo. E constitui em:

Enumeração ou descrição de detalhes - ocorre de preferência quando há tópico frasal inicial explícito.
Confronto - consiste em estabelecer confronto entre idéia, seres, coisas, fatos ou fenômenos.
Analogia e comparação - a analogia é uma semelhança parcial que sugere uma semelhança oculta, mais completa. Na comparação, as semelhanças são reais, sensíveis, expressas numa forma verbal própria, em que entram normalmente os chamados conectivos de comparação.
Citação de exemplos - deveríamos incluir este caso na categoria do desenvolvimento por analogia.
Causação e motivação - legitimamente, só os fatos ou fenômenos físicos têm causa; os atos ou atitudes praticados ou assumidos pelo homem têm razões: Razões e Consequências; Causa e Efeito.
Divisão e explanação de idéias "em cadeia" - o autor, depois de enuciar a idéia-núcleo no tópico frasal, divide-a em duas ou mais partes, discutindo em seguida cada uma de per si, para o que poderá servir-se de alguns dos processos já referidos.
Definição - o desenvolvimento por definição pode envolver também outros processos, como a descrição de detalhes, a apresentação de exemplos, sobretudo confrontos ou paralelos.


EXEMPLOS:



Tópico frasal desenvolvido por confronto:

Trata-se de estabelecer um confronto entre duas idéias, dois fatos, dois seres, seja por meio de contrastes das diferenças, seja do paralelo das semelhanças.

Veja o Exemplo:

Embora a vida real não seja um jogo, mas algo muito sério, o xadrez pode ilustrar o fato de que, numa relação entre pais e filhos, não se pode planejar mais que uns poucos lances adiante. No xadrez, cada jogada depende da resposta à anterior, pois o jogador não pode seguir seus planos sem considerar os contra-ataques do adversário, senão será prontamente abatido. O mesmo acontecerá com um pai que tentar seguir um plano preconcebido, sem adaptar sua forma de agir às respostas do filho, sem reavaliar as constantes mudanças da situação geral, na medida em que se apresentam. (Bruno Betelheim, adaptado)


Tópico frasal desenvolvido pela exemplificação:

Consiste em esclarecer o que foi afirmado no tópico frasal por meio de exemplos:

A imaginação utópica e inerente ao homem, sempre existiu e continuará existindo. Sua presença é uma constante em diferentes momentos históricos: nas sociedades primitivas, sob a forma de lendas e crenças que apontam para um lugar melhor; nas formas do pensamento religioso que falam de um paraíso a alcançar; nas teorias de filósofos e cientistas sociais que, apregoando o sonho de uma vida mais justa, pedem-nos que "sejamos realistas, exijamos o impossível". (Teixeira Coelho, adaptado).

Por:  Débora Barros


Analogia:

O violão é não só a música (cantadas as suas possibilidades orquestrais latentes) em forma de mulher, como, de todos os instrumentos, musicais que se inspiram na forma feminina – viola violino, bandolim, violoncelo, contrabaixo – o único que representa a mulher ideal; nem grande, nem pequena; de pescoço alongado, ombros redondos e suaves, cintura fina e ancas plenas; cultivadas, mas sem jactância; relutante em exibir-se, a não ser pela mão daquele a quem ama; atento e obediente do seu amado, mas sem perda de caráter e dignidade; e, na intimidade; tema sábio e apaixonada.
- Há mulheres – violino, mulheres – violoncelo e ate mulheres – contrabaixo

Por: Jacira


Razões e Conseqüências:

Brasil (década de 1960): durante o governo de JK (Juscelino Kubitschek) houve um grande investimento no desenvolvimento industrial nas grandes cidades da região Sudeste. Com a abertura da economia para o capital internacional, diversas multinacionais, principalmente montadoras de veículos, construíram grandes fábricas em cidades como São Paulo, São Bernardo do Campo, Guarulhos, Santo André, Diadema, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. O resultado disso foi um grande êxodo rural do Nordeste para o Sudeste do país. Os migrantes nordestinos, fugitivos da seca do Nordeste e do desemprego, foram em busca de trabalho e melhores condições de vida nas grandes cidades do Sudeste. Este processo estendeu-se com força durante as décadas de 70 e 80. Como estas cidades não ofereceram condições sociais aos migrantes, houve o esperado: aumento das favelas e cortiços, desemprego (muitos migrantes não tinham qualificação profissional para os empregos) aumento da violência, principalmente nos bairros de periferia.


Por: Núbia



Causa e efeito do parágrafo

O desenvolvimento do parágrafo por apresentação de razões e conseqüências ocorre quando se trata de justificar uma declaração ou opinião pessoal a respeito de atos ou atitudes do homem, e que se deve falar em relação a causa e efeito, quando se procura explicar fatos ou fenômenos. 

O seguinte parágrafo mostra-nos o que é desenvolvimento por indicação de causa ou efeito:

Recorde de pessoas – O século XX foi marcado por uma explosão populacional em todo o mundo. Nunca na história, a população mundial havia crescido tanto neste século. Basta ver que a humanidade atingiu seu primeiro milhão somente em 1804. No quase 200 anos seguintes, o número de pessoas aumentou seis vezes. E chegará á casa dos 7 milhões antes de 2015, se confirmadas às previsões. O aumento da população humana na terra é o que acontece a cada dia principalmente no Brasil.

(Revista Semanal da Lição de Casa, São Paulo, n 13 p.22, 1999)

Percebe- se que as causas estão indicadas através do crescimento populacional (por causa de devido a, porque), forma comum. A exposição nesse texto faz-se a partir da causa para o efeito.

No exemplo a seguir o desenvolvimento faz a partir do efeito para a causa.

Banho de mar é energizante?

Embora não existam comprovações cientificas, muitos especialistas acreditam que os banhos de mar tragam benefícios á saúde. “A água marinha composta por mais de 80 elementos químicos, alivia principalmente as tensões musculares, graças a presença de sódio em sua composição por isso pode ser considerada energizante”, afirma a terapeuta Magnólia Prado de Araújo. “Além disso as ondas do mar fazem uma massagem no corpo que estimula a circulação sanguínea periférica e isso provoca o aumento do oxigênio das células”.

(Revista, Vida Simples, Ed. 16, maio de 2004, p. 19)

Note-se que a água marinha composta por 80 elementos químicos, alivia as tensões musculares (efeito), isso graças á presença de sódio em sua composição (causa).



Divisão e explanação de idéias “em cadeia”

Freqüentemente, o autor depois de enunciar a idéia-núcleo no tópico frasal, divide-a em duas ou mais partes, discutindo em seguida cada uma de per si, para o que poderá servi-se de alguns dos processos já referidos, principalmente da enumeração de detalhes e exemplos e da definição, pondo tudo no mesmo parágrafo ou em parágrafos deferentes, se a complexidade e a extensão de assunto se justificarem.

Para nos dar idéia das manifestações concretas da vocação literária, Alceu Amoroso Lima, adota critério da divisão da idéia-núcleo em deferentes partes, definindo-as sucessiva e sucintamente no mesmo parágrafo;
A vocação literária é sempre concreta. Manifesta-se como tendência, não soa atitude geral, mas ainda a este ou aquele gênero de atitude. Entre as inúmeras posições possíveis (e neste terreno as classificações chegam antes do gênio criador – lirismo, a epopéia, o drama, a critica e a sátira. O lirismo é a expressão da própria alma. A epopéia, a representação narrativa da vida. O drama a representação ativa dela. A critica, o juízo sobre a criação feita. E a sátira, a criatura dos caracteres. (...)

(A.A. Lima, Estética literária, p. 99)


 Por: Cirlene



 Definição:

Diante do século XXI começamos a observar os avanços e metamorfose exagerada pela qual estamos passando. Com isso procuramos cada vez mais ampliar os nossos conhecimentos e tentar acompanhar esse processo de globalização. A globalização faz a gente compreender que não há mais "limites" entre os países e suas culturas, e um dos grandes exemplos disso é necessidade de uma segunda língua, o Inglês.Este vem se expandindo e sendo cada vez mais exigido no nosso cotidiano. Então mãos à obra! Vamos aprender Inglês!

Por: Bartira

Analogia e comparação

Para organização das idéias, o redator vale-se de expressões que indicam semelhança.
Por exemplo: à semelhança; da mesma forma; do mesmo modo; de igual modo…
Vamos ver na prática…
O melhor seria não generalizar, porque cada qual tem o seu jeito próprio de viver e de trabalhar. Mas, tomando por base a vida daqueles de quem me tornei amigo e confidente, eu diria que ser correspondente no estrangeiro é cometer adultérios múltiplos. É trair a mulher ou o homem amando…

Por: Izaíra  Braga


Enumeração ou descrição de detalhes

Trecho do livro Uma História da Infância de Collin Heywood:

Após o desmame, as crianças passavam a uma segunda fase da infância que segundo a idéia, geralmente aceita, durava até os sete anos: a idade da razão. Nesse momento, elas estavam principalmente nas mãos de mulheres como amas, governantas, avós, tias, irmã, e acima de tudo, mães. A natureza do amor materno durante a época medieval permanece sendo um mistério, pois as fontes disponíveis, quase totalmente escritas por homens, ignoram em muito o assunto. Um estudo sobre maternidade descreve adequadamente a Idade Média com a "era do silêncio". Por um lado, esse mesmo silêncio pode ser tomado como evidência de que havia pouco espaço para expressar o afeto pelos filhos naquela época. Por outro lado, também não elimina esse sentimento, e as referências ocasionais, tais como "ternura e alegria maternais", mencionadas por Boccaccio (14313-1375), são sinais de possibilidade de um relacionamento mais caloroso com os filhos. Os poucos exemplos de relacionamento entre mãe e filho passíveis de documentação são oriundos exclusivamente dos círculos da realeza e da aristocracia e, em última análise, são equivocados. A rainha Eleanor de Aquitaine (c. 1122-1204) aparece preocupada demais com as responsabilidades públicas para ter muito tempo para criar filhos, enquanto sua antepassada, a rainha Margareth da Escócia (reinou de c. 1070-1093), deixou as evidências de um relacionamento próximo e amoroso com seus filhos.


Esse é um parágrafo descritivo. Note-se a ideia-núcleo, expressa no tópico frasal inicial em negrito desenvolvida e especificada através das relações das crianças com as mães durante a segunda fase da infância. São detalhes que tornam mais viva a ideia do que se passava na vida dessas crianças após o desmame.

Por: Jatiana Rego


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário